Notas estoicas, 2: Ansiedade e aprovação da multidão

crowd-1699137_1920
Não há conhecimento capaz de garantir o favor da multidão, a qual não é bom juiz do que fazemos (fonte da foto)

Por Donato Ferrara

Por que o retor, que tem ciência de ter escrito bem e de ter gravado na memória aquilo que escreveu, além de fazer uso de uma voz agradável, ainda se sente ansioso? Porque ele não se satisfaz com seus discursos. O que, pois, ele quer? Ser louvado pelo público. Ora, ele estudou para ter condições de pronunciar seus discursos, mas no que respeita ao louvor e à censura, ele nada estudou. De quem ele aprendeu o que é o louvor, o que é a censura, qual é a natureza de um e de outro, que tipo de louvor se deve buscar, que tipo de censura se deve evitar? Quando foi que ele se dedicou à disciplina que responde a todas essas questões? Por que, pois, ficar surpreso se, nos assuntos em que um homem é competente, ele supera os outros e, naqueles em que não tem experiência, ele não se distingue da multidão? Do mesmo modo como o citaredo que sabe tocar seu instrumento, canta bem, veste uma túnica bonita — e que treme, ainda assim, quando entra em cena. Pois ele tem domínio sobre todas aquelas coisas, mas não sabe o que é a multidão, nem o que são os gritos e as zombarias da multidão. Nem mesmo sabe o que vem a ser a própria ansiedade, se ela é nossa obra ou obra de outrem, se é possível ou não fazê-la cessar. Por tal motivo, se ele foi louvado, vai-se embora todo inflado de vaidade, porém, se foi alvo de zombarias, ei-lo como um pobre odre, furado e esvaziado.

É este o caso também conosco. O que admiramos? As coisas exteriores. A que nos aplicamos? Às coisas exteriores. E temos ainda dúvidas quanto ao porquê de experimentarmos medo ou ansiedade? O que pode acontecer quando consideramos os acontecimentos como males? Não está em nossas forças não ter medo, não está em nossas forças não ter ansiedade. (Epicteto, Diatribes, II, 16: 5-12)

A ansiedade é um dos males mais comuns de nosso tempo. Em grandes doses, ela chega a tornar a vida de quem a experimenta muito insatisfatória, se não inviável. Talvez não seja inútil observar que o termo que vertemos (na esteira de George Long e Joseph Souilhé) por “ansiedade” equivale ao grego agōnía, o qual provém de agṓn (“luta, combate”) e está relacionado ao verbo agōnídzō (“buscar vencer, esforçar-se pela vitória”). A partir do século IV a. C., época de Aristóteles e Demóstenes, a palavra agōnía sofreu uma metamorfose de grande monta, passando a caracterizar também um estado psicológico no qual o indivíduo entra, por assim dizer, em combate consigo mesmo. Crisipo, terceiro diretor da escola estoica, estudou extensivamente as paixões e qualificou a agōnía dentre os medos — a saber, aquele que se experimenta diante de coisa invisível ou incerta (agōnía dè phóbos adḗlou prágmatos; cf. Diógenes Laércio, Vidas e opiniões dos filósofos ilustres, VII, 113).

Continuar lendo “Notas estoicas, 2: Ansiedade e aprovação da multidão”