“Epicteto e Stockdale: Algumas estratégias para combater o assédio moral” — Aldo Dinucci*

© Direitos autorais reservados.

Artigo gentilmente cedido em forma de colaboração.

glass-676127_1920
Sair da posição de vítima e agir, buscando uma resposta moral e socialmente correta (fonte da foto)

O presente texto se baseia numa palestra que fiz para alunos do Ensino Médio em Tobias Barreto, cidade do interior de Sergipe, em outubro de 2017. Minha ideia era falar para os jovens sobre estratégias para combater o assédio moral e a manipulação, usando como ferramentas o pensamento de Epicteto e Stockdale.

Epicteto, um dos grandes nomes do Estoicismo Imperial, entre os quais se incluem Sêneca, Musônio Rufo e Marco Aurélio, nasceu no ano de 55, em Hierápolis, na Frígia, e morreu por volta de 135, em Nicópolis, antiga cidade localizada na entrada do Golfo Ambraciano, no Épiro. Epicteto mesmo nada escreveu. Tal tarefa coube a Lúcio Flávio Arriano Xenofonte, cidadão romano de origem grega, que compilou (possivelmente com auxílio da taquigrafia) suas aulas em oito livros (As Diatribes de Epicteto), dos quais quatro sobrevivem, e constituiu o Encheirídion de Epicteto, um breviário de princípios morais epicteteanos. Há uma tradução nossa anotada do Encheirídion disponível para download aqui.

James Bond Stockdale foi um oficial norte-americano, piloto de caça, que estudou Epicteto enquanto fazia seu mestrado em Stanford e teve a possibilidade de testar na prática o pensamento epicteteano enquanto prisioneiro de guerra durante sete anos e meio no Vietnã. Stockdale, após ser libertado, escreveu um livro sobre sua experiência, que traduzimos e disponibilizamos para download neste outro link.

Continuar lendo ““Epicteto e Stockdale: Algumas estratégias para combater o assédio moral” — Aldo Dinucci*”

“Honestidade nos negócios: Um experimento estoico” — Jacob Henricson*

© Direitos autorais reservados.

Traduzido e reproduzido com a permissão do autor (texto original).

131431-Speak-The-Truth-Even-If-Your-Voice-Shakes
“Fale a verdade, ainda que sua voz fique trêmula” (fonte da foto)

Um dia decidi parar de mentir. Não me entendam mal: jamais tinha eu sido um grande mentiroso em minha vida pregressa, mas decidi — tanto quanto permitia a minha capacidade — não mentir de jeito nenhum. Defini algumas regras para casos limítrofes: por exemplo, evitar ou guardar para mim uma verdade quando os efeitos de proferi-la sejam prejudiciais a mim ou a outra pessoa (“fico bem com este vestido?”) é aceitável, mas não o é dizer uma mentira diretamente, por menor que seja.

O ímpeto para esta medida drástica surgiu com o meu interesse por levar uma vida estoica. Comecei recentemente, há cerca de um ano, quando minha atenção foi desperta pela simples citação de Epicteto:

Os seres humanos são perturbados não pelas coisas, mas pelos princípios e noções que formam a respeito delas. [Manual, 5.a]

Continuar lendo ““Honestidade nos negócios: Um experimento estoico” — Jacob Henricson*”

Manual de Epicteto, 2: O propósito do desejo e da repulsa

people-1550504_1920
A Fortuna não tem deferência nenhuma pelo que buscamos obter ou evitar (fonte da foto)

Por Donato Ferrara

1. Lembra que o propósito do desejo é obter o que se deseja, [e] o propósito da repulsa é não se deparar com o que se evita. Quem falha no desejo é não afortunado. Quem se depara com o que evita é desafortunado. Caso, entre as coisas que são teus encargos, somente rejeites as que são contrárias à natureza, não te depararás com nenhuma coisa que evitas. Caso rejeites a doença, a morte ou a pobreza serás desafortunado. 2. Então retira a repulsa de todas as coisas que não sejam encargos nossos e transfere-a para as coisas que, sendo encargos nossos, são contrárias à natureza. Por ora, suspende por completo o desejo, pois se desejares alguma das coisas que não sejam encargos nossos, necessariamente não serás afortunado. Das coisas que são encargos nossos, todas quantas seria belo desejar, nenhuma está ao teu alcance ainda. Assim, faz uso somente do impulso e do refreamento, sem excesso, com reserva e sem constrangimento.

Tradução de Aldo Dinucci e Alfredo Julien

COMENTÁRIO

O Manual de Epicteto é um verdadeiro vade-mecum para quem aspira à sabedoria estoica. No trecho que acabamos de ler, comparece novamente a forma imperativa do verbo lembrar: “lembra”, mémnēso. Epicteto esperava que os alunos de sua escola interiorizassem as regras e explicações por ele dadas ao longo das aulas, mas não ignorava a tendência humana ao esquecimento das coisas essenciais. Também nós, nascidos muitos séculos depois, precisamos meditar e nos exercitar com frequência para termos sempre ao alcance da memória um preceito que nos ajude a decidir como agir bem em circunstâncias difíceis ou pouco claras.

Continuar lendo “Manual de Epicteto, 2: O propósito do desejo e da repulsa”