Koinōnía ― grupo de leitura e convivência humanística

clay-banks-LjqARJaJotc-unsplash.jpg
Que tal ler, refletir, conversar e compartilhar ideias? (fonte da foto)

Por Donato Ferrara

Antes de mais, três novidades:

Agora sim, ao assunto principal.

O isolamento social a que muitos de nós estamos sujeitos há algumas semanas nos têm colocado desafios em diversos setores da vida. Não fomos educados para passar tanto tempo em casa, nem para uma essencialização tão drástica de nossas relações. Entre os que precisam sair para trabalhar, observar como se precarizam tantas coisas na sociedade em que vivemos não deve ser um espetáculo tranquilizador.

Continuar lendo “Koinōnía ― grupo de leitura e convivência humanística”

MUSÔNIO, DIATRIBE 11 (QUE É ADEQUADO AO FILÓSOFO VIVER JUNTO À NATUREZA, NO CAMPO, E DEDICAR-SE À AGRICULTURA E AO PASTOREIO):

Comentário de Aldo Dinucci:

A seguinte aula de Musônio, estoico romano que foi professor de Epicteto, é particularmente importante porque nela ele afirma que a agricultura e o pastoreio, a vida no campo, enfim, é uma das profissões apropriadas para um estoico. Como Musônio nos diz, uma das conotações básicas do Viver segundo a natureza (o lema estoico) é buscar alimento diretamente da Natureza, que é nossa mãe. Musônio comenta que a vida no campo nos afasta dos vícios aos quais as cidades nos convidam. E que mesmo ensinar filosofia é mais fácil no campo, onde o professor, trabalhando a terra, pastoreando e fazendo suas refeições junto com seus alunos, pode lhes ensinar sobre a virtude por meio de seus próprios exemplos, que falam mais alto que palavras.

Continuar lendo “MUSÔNIO, DIATRIBE 11 (QUE É ADEQUADO AO FILÓSOFO VIVER JUNTO À NATUREZA, NO CAMPO, E DEDICAR-SE À AGRICULTURA E AO PASTOREIO):”

Há uma ética no estoicismo? (Por George Felipe Bernardes Barbosa Borges)

 

George Felipe Bernardes Barbosa Borges

 

Durante essa quarenta falava com um amigo sobre questões referentes a bioética. Ele colocou um problema bem interessante e sensível acerca da identidade pessoal, isto é, de como alguém olha para si mesmo e se reconhece enquanto tal. Meu amigo supôs uma situação limite: caso algum dia se prove que a homossexualidade é uma patologia, seria eticamente correto tratar as pessoas compulsoriamente? Imediatamente lembrei de outros problemas bioéticos que são muito similares a este, como por exemplo, o casal lésbico de deficientes auditivos que tinham a preferência por ter um filho surdo. Sandel conta que procuraram um doador “cuja família tivesse um histórico de cinco gerações de surdez” (2013, p. 15).

Meu amigo estranhou minha linha de argumentação. Eu afirmava que há um ramo da ética (neste caso, da metaética) que prezava por um relativismo moral, cujas convicções morais podem derivar e serem justificadas a partir de um movimento social, por exemplo. Por que ocorreu esse estranhamento? Porque no século XVIII um sujeito chamado Immanuel Kant (1724 – 1804) mudou para sempre a história do pensamento. Kant almejava conferir à ética o mesmo caráter universal que vemos na ciência. A ética agora é deontológica (δέον, dever e λόγος, ciência). Nasce assim o “imperativo categórico”, isto é, deve-se agir por dever, respeitando regras universais. Não há mais aquela ideia de virtude ou realização pessoal ligada a ética, como havia em Aristóteles (384 a.C. – 322 a.C.). Com Kant a moral e a felicidade são duas coisas que não se recobrem. Haverá casos em que devemos sacrificar a felicidade para obedecer a lei moral.

Continuar lendo “Há uma ética no estoicismo? (Por George Felipe Bernardes Barbosa Borges)”

O Estoicismo, a tortura e Stockdale

João Leite Ribeiro

 

Tempos atrás, quando Cuba ainda era a maior glória do comunismo mundial, fui ao Ibirapuera aqui em São Paulo ver Cuba versus Brasil, no basquete.

Os dois times eram bons e o jogo foi tornando-se eletrizante. A torcida brasileira, sabidamente a mais barulhenta do mundo, vaiava os ataques da equipe cubana a alturas que provavelmente os cubanos jamais tinham ouvido.

O time cubano sentia. Dava pra ver na atitude do técnico junto à quadra tentando entusiasmar os jogadores. Porém não todos. Tinha um negro, cujo nome não me lembro, que parecia jogar cada vez melhor. Arriscava de longe e a bola caía. No final, para a alegria dos esquerdistas no ginásio, Cuba ganhou. Muito por causa desse jogador.

Continuar lendo “O Estoicismo, a tortura e Stockdale”

Epicteto, Diatribes 1.12: Sobre seguir os Acontecimentos e Amor fati

Epicteto, Diatribes 1.12: Sobre seguir os Acontecimentos e Amor fati

(7) Portanto, o <ser humano> bom e justo, tendo considerado em seu pensamento todas essas coisas, segue aquele que administra a totalidade, do mesmo modo que os cidadãos <seguem> a lei da cidade-Estado. (8) Aquele que se instruiu deve comportar-se a respeito da instrução com o seguinte propósito[1]: como eu poderia seguir os Deuses em todas as circunstâncias? Como eu poderia me comprazer[2] com a divina administração? E como eu poderia me tornar livre?

Continuar lendo “Epicteto, Diatribes 1.12: Sobre seguir os Acontecimentos e Amor fati”

Meus últimos textos no Medium

aziz-acharki-fEL18vax1HE-unsplash
Tempos de incerteza (fonte da foto)

Por Donato Ferrara

Enquanto ponho esta casa em ordem e preparo um texto sobre a atitude estoica diante da crise social em que nos encontramos, os que frequentam este site talvez queiram dar uma lida nos últimos artigos que redigi em outra plataforma:

A NOSTALGIA DO MISTÉRIO, (12/08/2019);

ANTÍGONA E A CULTURA DO CANCELAMENTO, (21/02/2020);

O VÍRUS E NÓS, (26/02/2020);

EM MEIO À INCERTEZA, O ESPÍRITO, (08/03/2020);

COVID-19: O QUE ESTÁ EM JOGO, (17/03/2020).

Fiquem bem!

D.

O Estoico Sustentável

Por Kai Whiting

Esse artigo apareceu originalmente no jornal Eidolon. O artigo foi traduzido por Gustavo Vechin de Matos.

 

Eu sou um Estoico vegetariano. Eu também sou um entusiasta de bodybuilding que não precisa de carne para aumentar o bíceps. Eu só preciso treinar o meu corpo – e a minha mente.

Como qualquer rato de academia sabe, suplementos e carnes magras são necessários para o nosso estilo de vida. Mas após alguns anos de bodybuilding, comecei a pensar mais profundamente sobre a minha saúde e bem-estar geral. Eu expandi a visão limitada do marketing do que constitui o “fitness”. Considerei o meu impacto ambiental. Refleti sobre as questões éticas de comer tanta carne enquanto outras pessoas passavam fome. Eu não podia mais me distanciar do dever evidente que todos temos em relação aos seres conscientes que prendemos, engordamos e abatemos.

Continuar lendo “O Estoico Sustentável”

A FILOSOFIA COMO MEIO DE EXPERIMENTAR OS ESPAÇOS DA PÓLIS: OS EXEMPLOS DA ATENAS ANTIGA (SEC. IV – III A.C.)

 

A FILOSOFIA COMO MEIO DE EXPERIMENTAR OS ESPAÇOS DA PÓLIS:

OS EXEMPLOS DA ATENAS ANTIGA (SEC. IV – III A.C.)

 

Luiz Henrique Silva Moreira[1]

 

A imagem acima[2] reproduz os espaços que as escolas filosóficas ocuparam em Atenas durante a antiguidade. Através desta é possível visualizar as quatro principais escolas de pensamento no mundo antigo, a Academia de Platão, o Liceu de Aristóteles, o Pórtico Pintado de Zenão e o Jardim de Epicuro.

Continuar lendo “A FILOSOFIA COMO MEIO DE EXPERIMENTAR OS ESPAÇOS DA PÓLIS: OS EXEMPLOS DA ATENAS ANTIGA (SEC. IV – III A.C.)”

Gratilla (ROMA 75 EC): Um conto sobre as mulheres e o estoicismo

Durante o banquete, na casa de Helvídio Prisco[1], Trásea Peto[2] e Musônio Rufo[3] conversavam animadamente, taças de vinho à mão. Era a terceira vigília[4], em breve o dia iria raiar, e a Aurora de róseos dedos coloriria o firmamento. O jovem Epicteto[5] já se sentava ao chão do triclínio[6], sonolento, quando um movimento de pernas femininas marmóreas e esguias cruzando a porta que dava para o peristilo[7] lhe chamou atenção.

Continuar lendo “Gratilla (ROMA 75 EC): Um conto sobre as mulheres e o estoicismo”